Cigarreira “Bogatyrs”, Destaque Outubro de 2011

Cigarreira “Bogatyrs”, Destaque Outubro de 2011

Caixa cigarreira rectangular, de 11×9 centímetros, em prata dourada e decorada com esmaltes polícromos em trabalho de cloisonné.  Sobre fundo azul forte são representadas flores e enrolamentos vegetalistas interrompidos por formas geométricas. Na tampa reserva com miniatura pintada sobre esmalte da obra “Bogatyrs”, do pintor russo Viktor Vasnetsov. O fecho, no lado direito da caixa, tem incrustada uma safira oval.

 

Autoria:
Esta peça é da autoria de Peter Karl Fabergé, considerado um dos melhores ourives e joalheiros de todos os tempos.

 

Peter Karl Fabergé nasceu a 30 de Maio de 1846 em São Petersburgo. O seu pai, Gustav Fabergé, que abrira uma joalharia em S. Petersburgo em 1842, era descendente de huguenotes, e a sua mãe, Charlotte Jungstedt, filha de um pintor de origem dinamarquesa.

 

Peter Karl frequentou uma das melhores escolas de São Petersburgo e, mais tarde, dará continuação à sua formação de joalheiro sob a tutela de Peter Hiskias Pendin, colega e amigo do pai e que teve uma grande influência nele. Na sua juventude viajará para a Alemanha, Inglaterra, Itália e França, o que se tornará fundamental para o desenvolver do seu gosto e da sua futura prática.

 

Em 1870, com só 24 anos, passará a dirigir a empresa familiar que o seu pai, retirado desde 1860 em Dresden, tinha deixado ao cuidado do gerente. Isto suporá uma grande revolução para o negócio, que deixará de estar baseado exclusivamente na criação de joalharia tradicional para apostar na produção de objectos decorativos de grande imaginação, perfeição técnica e beleza, mas sem forçosamente ter um valor material intrínseco.

 

Apesar da diversidade das peças produzidas pela casa Fabergé – desde joalharia a objectos funcionais como esta caixa cigarreira, objectos decorativos, pequenos brinquedos, etc. – são sem lugar a dúvidas os Ovos de Páscoa Imperiais a mais famosa das suas criações. Estes ovos foram realizados a cada ano – desde 1884 – para o czar Alexandre III oferecer como presente à sua mulher, a Imperatriz Maria Feodorovna.

 

Mais tarde será o filho deste, Nicolau II, que continuará a tradição de oferecer um ovo Fabergé à sua mulher, Alexandra Feodorovna, e à sua mãe, perfazendo este conjunto um total de 57 peças.

 

Em 1918, a empresa é nacionalizada e Fabergé, deixando de ser o joalheiro da corte imperial, emigra para Lausanne, na Suíça, onde morre em 1920.

 

“Os Bogatyrs”:
Esta pintura conhecida como “Bogatyrs”, um óleo sobre tela, obra de Viktor Vasnetsov, datada de 1898, de dimensões consideráveis (295,3 X 446) representa Ilya Muromets, Dobrynya Nikitich e Alyosha Popovich, três heróis medievais russos cujas aventuras para defender a sua terra e os seus habitantes contra os inimigos da Rússia são contadas em muitos poemas épicos e lendas tradicionais. Aqui aparecem guardando a fronteira atentos a um iminente perigo, mas na forma em que são retratados, Vasnetsov consegue transmitir-nos não só um episódio concreto, mas a história por trás destes cavaleiros do folclore popular russo.

 

 

No centro está Ilya, considerado tradicionalmente o líder do grupo. Forte e alto aparece vestido de forma simples, como corresponde a um filho de camponeses. O seu cabalo, de nome Voroneyushko, será o típico dos bylina, poemas épicos tradicionais russos. Segundo a lenda, Ilya nascera débil e doente, até que um dia miraculosamente sara para se converter em guerreiro ao serviço do Príncipe Vladimir.

 

À esquerda aparece Dovynya que, como podemos ver pela sua elegante armadura, escudo vermelho e dourado, vestes bordadas e cadeia dourada ao peito, é filho de um príncipe. O seu cabalo branco, um puro-sangue árabe de bridas ricamente ornamentadas, será também um indicador da sua classe.

    

À direita Alyosha, o mais novo dos três heróis e o preferido do Príncipe Vladimir, aparece armado com arco e flechas e vestido de uma forma modesta mas elegante. Aliosha, filho de um sacerdote, não será só um guerreiro como também um diplomata, orador e músico, conhecido pela sua astúcia e pelas inteligentes estratégias com as que vence aos seus inimigos.

 

Esta obra, hoje em dia na Galeria Tretyakov de Moscovo, é conhecida de todos os russos como símbolo de patriotismo e nela o pintor Vasnetsov trabalhou durante mais de uma década.

 

Viktor Mikhaylovich Vasnetsov (1848-1926):
Artista russo conhecido pela sua temática histórica e mitológica e que normalmente se enquadra dentro do modernismo folclórico-romântico russo.
Nascido numa pequena vila no seio duma família culta, começa a pintar já em criança e após graduar-se no seminário em 1867, decide trasladar-se para São Petersburgo para estudar arte, para o que venderá duas das suas pinturas para pagar a viagem.

 

No início da sua carreira estará próximo do movimento realista, e a sua obra estará virada para a pintura de género, porém, após uma estadia de um ano em Paris, onde estuda os clássicos e os contemporâneos e chega a expor alguns dos seus trabalhos no Salon, começará a interessar-se pela mitologia, o folclore e os contos de fadas russos, temática que na época todavia não era muito apreciada.

 

Entre 1884 e 1889 pintará os frescos da Catedral de Kiev, e será nessa época que começa a sua obra mais famosa, “Os Bogatyrs”. Nas duas últimas décadas da sua vida estenderá os seus interesses para outras áreas, como a cenografia, o desenho, os mosaicos e, nomeadamente, a arquitectura. Entre outras construções desenhará a sua própria casa, hoje em dia Casa-Museu Victor Vasnetsov, que forma parte da Galeria Tretyakov, e onde se encontram em exposição muitas das suas obras.

 

Técnica:
Cloisonné
é uma técnica de trabalho em esmalte na qual tiras finas de metal são coladas sobre uma superfície, formando um desenho composto por pequenos compartimentos depois preenchidos com pasta de esmalte vitrificado de várias cores.

 

 

Proveniência:
A cigarreira foi adquirida no leilão “Fine Gold Boxes, Objects of Vertu, Clocks and Watches, Fabergé and Russian Works of Art” da Sotheby’s, em Zurique, a 16 de Novembro de 1977, onde o Sr. Medeiros e Almeida comprou também cinco relógios de bolso presentes na colecção.

Samantha Coleman Aller

Casa-Museu Medeiros e Almeida

Artista

Peter-Karl Fabergé, 1846-1920 Viktor Vasnetsov, 1848-1926

Ano

1908-1926

País

Moscovo, Rússia

Materiais

Prata dourada, esmaltes em cloisonnné

Categoria
Destaque