Leque Brisé De Marfim À la Cathédrale, 1830-35

Leque Brisé De Marfim À la Cathédrale, 1830-35

Leque brisé de marfim finamente vazado segundo motivos geométricos e fitomórficos. Topo das varetas em formato triangular, “à la cathédrale”. Guardas de marfim com aplicação de placa metálica com os lados exteriores cravejados de turquesas. Fitilho de seda. Rebite metálico.

 

Os leques brisé de marfim esculpido e vazado entram em voga na Europa durante o século XVIII. Os mercados europeus davam preferência aos leques de exportação chinesa, devido à sua superior qualidade técnica, e desenvolve-se por isso na China uma importante indústria destinada exclusivamente ao fabrico para exportação. Porém, a partir da segunda metade do século XVIII, os leques brisé de manufatura europeia possuem já grande qualidade, tanto técnica como estética, alcançando estatuto próprio, mas continuando, contudo, a integrar alguns ornamentos de influência oriental, combinados com elementos ocidentais, sobretudo neoclássicos e revivalistas.

 

Estes leques gozaram de grande popularidade até à última década do século XVIII, até que, a partir de 1820 e até cerca de 1850, entrariam novamente em voga. Os leques brisé mais tardios adotaram algumas variações, podendo exibir guardas pesadamente incrustadas de pedras ou os topos das varetas “à la cathédrale”, isto é, de inspiração no estilo gótico.

 

Nota: para o estudo desta peça contamos com a colaboração de Thomas DeLeo.

 

Proveniência: 

Adquirido a Francisco Marques da Silva em Lisboa, a 9 de janeiro de 1980.

 

Joana Ferreira (estagiária)

Casa-Museu Medeiros e Almeida

Artista

Desconhecido

Ano

1830-35

País

França

Materiais

Marfim, turquesas, seda e metal

Dimensões

Alt. 17,8cm x Larg. 28,2cm ;
N.º de varetas: 15 + 2 guardas; 
Ângulo de abertura: 110º

Categoria
Leques Europeus