Papeleira miniatura (par)

Papeleira miniatura (par)

Papeleira miniatura (par)

 

Estes curiosos exemplares, de tamanho fora do comum, são provas de exame de marceneiros, ainda no cargo de “companheiros” ou “oficiais” que tinham que demonstrar através da execução de peças de mobiliário em tamanho reduzido a sua habilidade e capacidade de executar qualquer tipo de móvel, para se poderem autonomizar face à oficina e mestre com quem trabalhavam, ganhando assim o seu título.

As peças tinham que seguir modelos formais e decorativos dos de tamanho real e apresentar qualidade idêntica, só após a superação desta prova,  os seus autores se poderiam tornar independentes. Daí a designação “Provas de mestre”.

As papeleiras miniatura tal como as suas congéneres em tamanho real reflectem o gosto da época em que foram executadas.

Abandonado lentamente o estilo D. José, começam a surgir tímidas alterações no gosto ao longo do último quartel do século XVIII. Agora, os móveis apresentam-se de linhas mais direitas e rectas em que as curvas e assimetrias desaparecem progressivamente, em madeiras claras em que os entalhamentos são substituídos pelos folheados e pelos marchetados rectilíneos de inspiração clássica, num jogo de contrastes cromáticos devido ao tipo de madeira usada. Bandas com filetes de tonalidades contrastantes, rosáceas, motivos geométricos decoram agora as peças. A estrutura coberta por uma fina folha de madeira é recortada e decorada pelos marchetados de madeiras de qualidade e cor diferentes.

As duas papeleiras miniatura da Casa-Museu integram-se claramente na tipologia de móveis produzidos no período D. Maria I, em que a simplicidade impera. Ainda levemente abauladas na frente, o resto da estrutura apresenta linhas direitas, com construção folheada com marchetados de grande simplicidade decorativa, jogando com os veios e cores das madeiras, cartelas rectangulares mais claras, formando efeitos geométricos. Tal como é costume, o interior apresenta fábrica com gavetas onduladas.

 

Proveniência:

Adquirida ao antiquário Henrique Soares (Rua do Alecrim, 64 – 68), Lisboa, em 14 de Janeiro de 1944, por 2.500$00

Adquirida em leilão da Leiria e Nascimento Lda. (Rua do Ouro, 292, 1º esq.), Lisboa, de 11 de Abril de 1945, lote 151, por 3.300$00

Escola/Estilo

D. Maria

Data

Séc. XVIII (final)

Origem

Portugal

Categoria
Mobiliário Português